Lúcio Flávio jogou tudo no ventilador e contou como era o clima no Botafogo em 2023

Um dos mais culpados pela torcida por conta da perda do título do Campeonato Brasileiro de 2023, Lúcio Flávio segue sua vida longe do Botafogo. O treinador que já foi praticamente todas as funções da comissão técnica do clube, hoje tenta crescer longe do Glorioso.

Atualmente no Aparecidense como treinador principal, Lúcio relembrou  ao canal “Nosso Futebol“ como era o clima no Botafogo do ano passado. Para muitos torcedores, o time perdeu o título para si mesmo, por conta do psicológico dos jogadores.

Lúcio assumiu após a saída do técnico português Bruno Lage e de início, seu comando seria apenas por um tempo, enquanto o clube procurava um novo nome. Os resultados no entanto vieram e ele foi promovido a principal. Após sequência ruim de resultados, foi demitido:

Torcida do Botafogo não vai esquecer 2023

“Quando assumi no Botafogo, na saída do Bruno Lage, ter a sequência que tivemos, jogos com PalmeirasVasco e Grêmio pesaram muito em relação à margem que o Botafogo tinha. Mas, se for ver os jogos em si, em nenhum deles o Botafogo jogou pior que o adversário. Contra o Palmeiras, a equipe foi melhor no primeiro tempo, teve situação de expulsão, pênalti que perdemos. O jogo com o Vasco foi atípico pelo emocional contra o Palmeiras. E contra o Grêmio vencíamos por 3 a 1 e houve a virada. Ali houve um peso para ter essa saída. Depois da minha saída, do jogo com Red Bull Bragantino, se for ver em termos de percentual de pontuação ou de capacidade, o time até teve queda boa de rendimento nas partidas finais” – disse Lúcio.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Lúcio ainda falou sobre diversos outros assuntos e para finalizar, demonstrou não guardar mágoas do clube:

“Falo com todo coração, não espero reconhecimento de homem, nossa vida não pode ser pautada por isso. Mas tenho gratidão enorme pelo clube, por minha passagem como atleta e como membro de comissão técnica. Foi muito importante. Agradeço a Deus, até por ter pego início da SAF, porque eu sabia o que era o Botafogo antes e o que é hoje. É claro que muda-se, o clube é empresa, tem dono. Em razão disso, sabemos que o futebol é baseado em resultados.” – finalizou.