Jornalista notou problema sobre Luiz Henrique no Botafogo

Maior contratação da história do futebol brasileiro até o momento, Luiz Henrique vem bem no Glorioso, mas nem tanto como se imaginava. Jogadores com valores menores que o dele já renderam mais em solo nacional.

E isso talvez atrapalhe um pouco o desenvolvimento de Luiz, que ainda é muito novo e hoje, lida com essa pressão de expectativa colocada em cima de seu desempenho. Aparentemente, o atleta parece não ligar, mas isso pode fazer diferença.

Porém, Luiz não tem culpa do mercado mundial do futebol ser inflacionado. Hoje, se pagam milhões de dólares por atletas que há algum tempo atrás não se pagaria. Com isso, jogadores diferenciados como ele, tem cifras altíssimas.

Luiz Henrique precisa ter cabeça no lugar

Durante o programa “Redação SporTV”, Carlos Eduardo Éboli falou sobre o assunto. Para o comentarista, Luiz tem demonstrado o que joga e o problema de fato está nas expectativas criadas pelos torcedores:

“Luiz Henrique ainda não rendeu o que muitos esperam dele. Eu, particularmente, analiso histórico e carreira do jogador jovem, ainda não teve o papel de protagonista. Veio depositado no colo dele esse papel no Botafogo, por ser a contratação mais cara da história, mas ele não tem culpa da avaliação do mercado. Ele vai entregar o que vinha entregando ao longo da carreira. Pode evoluir como jogador, não tenho dúvida, tem margem enorme de evolução, mas não é esse protagonista que a torcida construiu quando ele foi contratado, no meu entendimento. Estou olhando só para a carreira dele. O que construiu está sendo bem coerente no Botafogo, não está fugindo muito ao que já fez.” – disse.

Participe agora do nosso grupo exclusivo do Whatsapp, Telegram ou acesse nossas comunidades.

Almada deve chegar ao Botafogo nos próximos dias e se tornar a contratação mais cara da história superando Luiz por bons milhões de reais. Talvez assim, dividindo o protagonismo, Luiz possa se mostrar mais e ser de fato o que esperam, ou então, se manter nesse nível atual, que já é bastante diferente no futebol brasileiro